Nota

Atendimento Médico Veterinário

Atendimento Médico Veterinário na Praia de Pipa em Tibau do Sul, RN:

– Consulta Clinica Médica de cães e gatos

– Consulta Clinica Médica de Animais Silvestres

– Consulta Homeopática Veterinária (para qualquer espécie animal)

– Vacinas éticas

– Coleta de material para exame

Anúncios

O que é a erva do gato?

Erva do gato ou catnip é o nome comum para um erva perene da família das hortelãs. Ela é nativa da Europa e da Ásia e logo foi levada para os Estados Unidos e o Japão. A erva do gato hoje é uma erva comum na América do Norte.

Segundo os estudiosos, o cheiro dessa erva estimula o instinto predador do animal e afeta quase todos os felinos, inclusive leões, pumas e onças e é inofensiva para eles.

Embora muitos gatos tentem comê-la, cientistas dizem que eles estão reagindo ao cheiro ao invés do gosto. Os felinos mordem, mastigam, esfregam ou rolam sobre a erva e fazem isso para libertar a essência das folhas. Por isso, a erva do gato pode deixar o gato bastante agitado e alerta por horas.

Pelo fato de não haver realmente um odor que cause esse tipo de reação nas pessoas, é difícil para nós entender esse comportamento. Contudo, não é um comportamento incomum nos animais, que confiam muito em seu olfato. Por exemplo, há muitos odores que vão desencadear um comportamento de caça nos cachorros e outros que vão fazer com que os cachorros parem no caminho e rolem sobre o odor.

Embora ninguém saiba exatamente o que acontece no cérebro do gato, é sabido que a substância química nepetalactone é o que desencadeia a resposta. A reação à erva do gato é herdada e alguns gatos são imunes a ela.

A reação à erva do gato dura poucos minutos. O gato acaba se adaptando a ela, mas depois de duas horas longe, o animal se recompõe. Então, a mesma reação pode acontecer se o gato entrar em contato com ela novamente.

"HowStuffWorks - O que é a erva do gato?".  Publicado em 01 de abril de 2000  (atualizado em 27 de março de 2007) http://casa.hsw.uol.com.br/questao303.htm  (21 de outubro de 2010)

Especialistas alertam sobre tratamento humanizado aos animais de estimação

Os cães estão mais humanos. Demasiadamente humanos. Com roupas e nomes de gente, vão à creche de perua escolar, passeiam no shopping, fazem sessões de spa. De melhores amigos foram promovidos a filhos.

“O cachorro é o centro de muitas famílias. É a nova televisão. É ele quem une as pessoas”, diz a antropóloga Mirian Goldenberg, autora de, entre outros livros, “De Perto Ninguém é Normal”.

Na casa de Ully Caroline Sousa, 27, e Alessandro Alla, 29, ele médico radiologista e ela estudante de medicina, é assim: viagens e restaurantes, só quando a Diva pode.

A mestiça de shih-tzu com maltês tem dois anos e meio e quase os mesmos privilégios de uma criança mimada da sua idade. Dorme com o casal (que não tem filhos), vai à creche de segunda a sexta-feira para ter aulas de adestramento e ganha presentes da Barbie. “Diva é a nossa filhinha”, diz a “mãe”.

Casais que adotam cachorros são os clientes mais fieis de Vanessa Rodrigues, veterinária dona da creche animal Cãominhando, que chega a ter 150 mensalistas fixos.

No pet shop de luxo de Felipe Faria, no shopping Cidade Jardim, em São Paulo, casais e mulheres sós são os que mais usam o serviço de fraldário, primeiro no Brasil.

 

COMO A GENTE

Não é preciso ir mais longe: sobram evidências para o que os especialistas chamam de antropomorfismo ou humanização -atribuir aos bichos características e sentimentos humanos.

As hipóteses para explicar o fenômeno são muitas. “A configuração da família está mudando. Cresce o número de pessoas sozinhas e com dificuldade de se relacionar”, comenta Goldenberg.

Para o psiquiatra Elko Perissinotti, vice-diretor do Hospital Dia do Instituto de Psiquiatria do HC, o contato com animais de estimação tem a mesma função do contato interpessoal: suprir carências afetivas.

“É uma relação benéfica e prazerosa. O simples toque em um animal libera hormônios que aumentam a disposição para contatos sociais, entre outros benefícios.”

Da brincadeira divertida para a relação pai e filho é um pulo. Segundo a veterinária e psicóloga Hannelore Fuchs (ela é uma das idealizadoras do projeto Pet Smile, de terapia assistida com animais), o grande atrativo que faz os bichos serem humanizados é que eles são fontes certeiras e inesgotáveis de afeto.

Um cão não reclama se você chegar tarde e sempre está disposto a dar uma volta. “É o relacionamento perfeito. Podemos desabafar sem receber críticas. Colocamos eles no patamar afetivo de seres humanos e preenchemos um vazio”, diz Hannelore.

AMOR INCONDICIONAL

A promotora de eventos Sandra Portelo não esconde sua relação com as cadelas Carla Bruni, Isabeau e Nina: “Cachorro é o único amor que a gente compra. É amor incondicional. É polêmico, mas é assim que penso.”

E gasta R$ 1.000/mês com as peruagens no pet shop.

Cecy Passos, 40, é dona e empresária da gata Nikole. A bichana de dez anos tem uma carreira de top de botar inveja em adolescentes. Assina linha de produtos felinos, abre desfiles de moda, tem site e seguidores no Twitter.

Tanta fama faz com que muita gente conheça a dona pela gata (e não o contrário). “Vou a todo lugar com ela. Somos uma só. Às vezes, é como se eu tivesse perdido a identidade”, diz Cecy.

Aí é que está. O problema não é chamar de filho ou dar regalias ao bicho, segundo o psiquiatra Alvaro Ancona de Faria, professor da Unifesp.

“O problema é idealizar a relação e projetar no animal um comportamento que não é de sua natureza. Como é mais fácil de controlar, a pessoa acha que é uma relação perfeita e acaba ficando desestimulada de criar outros vínculos sociais.”

Para cães e gatos, serem tratados como crianças também não faz bem. “As necessidades básicas dos animais podem ser esquecidas”, diz Ceres Berger Faraco, veterinária e terapeuta animal.

Em sua clínica, a terapeuta atende famílias com “cachorros-problema”. “São cães agressivos e que não podem conviver em grupo. Eles ficam assim porque são tratados como gente.”

Não custa passar o lembrete de Cesar Ades, professor do Instituto de Psicologia da USP e um dos pioneiros no estudo de comportamento animal no Brasil: apesar de o contato com bichos fazer bem, nunca vai substituir a relação com outras pessoas.

“São coisas diferentes. O cachorro nos dá coisas que o ser humano não dá, e os animais não dão tudo que os humanos dão. Eles nos dão uma alegria canina. Só isso já é culturalmente válido.”

Publicado por: JULIANA VINES em http://www1.folha.uol.com.br/bichos/810119-especialistas-alertam-sobre-tratamento-humanizado-aos-animais-de-estimacao.shtml